JOGO ASTROLOGICO

JOGO ASTROLOGICO

Pelotas 2012

Pelotas 2012

Oficina em Pelotas

Oficina em Pelotas

Em Pelotas 2012

Em Pelotas 2012

Pelotas 2012

Pelotas 2012

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Pra terminar o ano passo a dica de um livro de Jim George um dos mais eminentes e respeitados embaixadores no serviço diplomático canadense, mas que não é um diplomata comum. Ele fez uma incursão em várias culturas e tradições espirituais no oriente e no ocidente e fala a partir disso da conexão ecologia e espiritualidade. Com uma profunda convicção de que a degradação ambiental do planeta vem primariamente da crise moral e espiritual da nossa civilização industrial. Diz ele:
"Se começamos a nos conscientizar dos danos que temos feito ao planeta, então temos também a obrigação de trabalhar no mundo do modo como pudermos - regionalmente, nacionalmente ou mesmo internacionalmente, se isso for possível. Não há falta de coisas para fazer. Os choques que receberemos nessa tentativa nos darão retorno suficiente, ao mesmo tempo desgastando os cantos ásperos dos nossos egos, de tal modo que meditar e trabalhar no mundo se tornem componentes mutuamente energizantes, em um arco de retorno positivo de transformação interior. Mas, é claro, o processo só pode começar comigo, e só agora e aqui, na minha almofada de meditação ou em um protesto contra o descarregamento de lixo nuclear na minha comunidade. Ontem ou amanhã, nenhuma mudança é possível; apenas no momento presente, agora! Nesse momento podemos amar o mundo como um eu, sem ver diferença entre sujeito e objeto, estando mergulhados na experiência. Com prática, podemos entender o momento até ação ainda conectada co a sensação corporal, EU SOU. Mas ele logo se perde em pensamentos que a cabeça constrói imediatamente. Na medida em que a conexão pode ser mantida, ação consciente é possível - ou pelo menos ação no mundo que ainda traga uma ressonância, vibrando como um eco, da conexão que se perdeu. E à medida que tentamos fazê-lo, mais e mais vezes, começamos a perceber que a conexão é uma via de mão dupla, e que não podemos realizá-la. Quando nos abrimos, e sentimos nossa necessidade de ajuda, é então que podemos ser ajudados. Se dependesse só de mim, eu poderia de fato desistir. Mas não depende. A ajuda está sempre presente. Às vezes também estamos. E quando estamos, o pulsar da energia nova subitamente penetrando nossa janela cognitiva da percepção, quando o alinhamento está em ordem de acordo com a natureza, pode não só nos fornecer uma nova experiência, como também pode, ao mesmo tempo e sem estarmos conscientes disso, renovar e curar a Terra, de modos que a ciência não compreende ainda." James George - Olhando paela Terra - Ed. Ground Que possamos seguir com menos medo e menos dependências, seguindo e seguindo. Abraço e Feliz (mapa) Natal!! Eduardo Krug

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Sabe, por mais negativo e pessimista que o meu
interior esteja,
cheio de ansiedades e inquietações,
não há o que uma viagem não
transforme.Parece que
a estrada amplia os horizontes mesmo!
Ao chegar em outro lugar vemos outras coisas,
sentimosoutros
cheiros, ouvimos outros sons.
Tudo é diferente daquilo que vivemos
em nosso habitat
cotidiano - essa é a quadratura entre Sagitário/Virgem,

aquele desencontro entre esses dois signos, um
extremamente
cotidiano e prático e o outro altamente
filosófico e abstrato.
As retas intermináveis da região sul do estado do
Rio Grande do Sul
são perfeitas para que o fluxo
aconteça. As idéias fluem enquanto
o carro se desloca
sempre em frente, sem curvas. É uma viajem no
espaço
e no tempo, tudo passa, tudo anda!
Mas isso, não é o
mais importante. Existe uma coisa, algo que se descola
do corpo e da mente enquanto
transitamos, uma
sensação de espaço que acontece.
Começamos a nos ver de outra forma, modificando
nosso senso de importância das questões
que
estamos envolvidos. Percebemos também como
trazemos junto,
incrustado em nossa mente, idéias
de como tudo deve ser e estar.
E isso se reflete
na forma como vemos o novo lugar em que chegamos,
na relação que vamos tendo com esse novo lugar, seja
no hotel, na forma como lidamos com o taxista, com a
moça do restaurante.
As questões desse outro cotidiano nos parecem
muito diferentes, embora também
sejam cotidianas.
Leva um tempinho até as nossas idéias prontas irem
embora, se afastarem de nós.
Bom, e o que sobra então?....e s p a ç o..., ar,...
a r e j a m e n t o.
Isso se nos dermos conta do que trouxemos junto,
do que carregamos até aqui! Mas, invariavelmente,
no segundo ou terceiro dia relaxamos mais e então se
iniciam alterações, assimilamos novasidéias,
jeitos de
ser, ocorre uma abertura mesmo! Daí vem uma sensação
de gostar,
de estar inserido, de perceber que a Vida
acontece de várias maneiras diferentes.
Assim inicia, se dermos chance, uma relação simbólica
com a realidade
-novamente Sagitário/Virgem. Deixamos
para trás as verdades à que
estavamos acostumados,
apegados e sufocados. É uma espécie de
flexibilidade
que aparece. Isso cria um elo de continuidade aos
acontecimentos da Vida.
É um elo que tem uma conotação de espiritualidade,
eu acho....!
Espiritualidade como algo contínuo, mutante e
evolutivo. Então, quando
estávamos assolados pela
preocupação e pela mente discursiva, não
havia espaço
para essa mutação dos impulsos, para essa respiração
mais longa e curativa. Agora é possível a entrada dos
novos ventos
pela narina, que tocam o pulmão com
outra temperatura e respiramos aliviados e integrados.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Um pouco de Saturno em Libra

Entrando no Saturno em Libra, projeções, projeções, projeções...

Ontem assisti uma palestra do Sogyal Rinpoche que escreveu “O LIVRO TIBETANO DO VIVER E DO MORRER”, um daqueles livros indispensáveis. O tema da palestra era sobre a morte e o morrer, sincrônico ao momento do ano no signo de Escorpião. Muito incrível a movimentação de pessoas chegando ao auditório do Colégio do Rosário aqui em POA. Um dia quente por aqui e a palestra marcada para as 19h30 ainda com sol no horário de verão. As pessoas vinham chegando e o burburinho ia aumentando muita gente conhecida, aliás todos pareciam velhos conhecidos, uma espécie de “família kármica”. Era como se fosse um encontro marcado a muito tempo e o Rinpoche era o grande Pai. O seu jeito simples, espontâneo e gentil de tratar com todos me encantou, pensei em tudo que já fiz nessa busca pela consciência, as pessoas que encontrei pelo caminho, muitas estavam ali como uma lembrança de conexão, tudo muito tranqüilo, sabe quando as coisas estão encaixadas e encantadas....O clima era esse, um reencontro com tudo que estamos sendo no exato momento do estar ali. Foi muito bom sentir essa harmonia nas relações que em outros tempos não pareciam tão abertas assim. Sim, era isso!! Havia uma abertura no ar, uma abertura muito grande e focada numa busca, digamos, mais consciente de algo. Era uma abertura para o coletivo mas com uma total conexão individual consigo mesmo. Havia muitos buscadores ali no auditório, pessoas que estão nesse caminho a anos e de maneiras e formas diferentes, o budismo apenas catalisou o encontro.

Lá pelas tantas rinpoche falou das projeções da mente, de que nos acostumamos a ter uma mente voltada para fora na direção dos nossos olhos, do nosso olhar. E foi então que ele disse que a espiritualidade é simplesmente inverter o olhar para a direção de dentro, do olhar para dentro, é ali que residimos, como podemos encontrar algo fora, algo que está distante do dentro? Essa pergunta foi como uma chave para muitas reflexões – êta Saturno em Libra. Daí fez muito sentido a harmonia que havia no ar, era como se houvesse um certo cansaço das projeções, das dúvidas, das indecisões, dos questionamentos apenas mentais, da intelectualização excessiva, da razão eterna,etc.etc. E todos queriam ouvir algo sobre o processo do morrer inclusive pessoas idosas que ouviam com muita atenção.

Olhar para o rinpoche era muito sanador, a sua risada algo impressionantemente curativo, era um bálsamo, bastava! Mas , ele na sua sabedoria dizia: Aproveitem e fiquem acordados porque é a primeira vez que estou aqui e talvez eu não retorne. Assim ouvíamos e ouvíamos e ouvíamos.....

Então o dia foi assim e findou tranqüilo com as pessoas retornando às suas residências, uns mais próximos voltavam a pé, outros de ônibus, táxi e outros ainda, como nós de carro até a serra, com um tempo maior de viagem....

Abraços Du.K

sexta-feira, 22 de outubro de 2010


Imagine-se caminhando no meio de um lugar cheio
de novidades, coisas que você nunca viu, um lugar
cheio de pessoas muito jovens, cheias de entusiasmo,
energia e vontade de mudar o mundo. Um lugar onde
essa adolescencência toda pulsa com uma vontade
avassaladora e uma fé inabalável de contribuir para
que o mundo melhore.
Pois é , conseguiu imaginar? Esse era o ambiente
na 25 Mostratec nos pavilhões da Fenac em NH.
Fazia muito tempo que não me sentia tão por fora,
tão paralisado e tão velho. Mas, ao mesmo tempo
estava ali em meio a todo o burburinho dos 15
a 20 anos, algumas centenas de jovens com todo
o gás! Cara, cada stand que olhava aprendia
coisas novas,como a utilização do óleo do buriti
para anular o efeito do veneno de cobra, ou a
pesquisa com resina alquídica para a reciclagem
do óleo residual, que tal?
E o uso de goma xantana na fabricação do
bioplástico e mais o extrato de jambolão como
fator hipoglicemiante. Tinha também o estudo da
desativação do hormônio IGF do leite bovino e o
uso da casca de arroz como fonte catalítica para
a remoção dos corantes da água dos rios.
Enfim a coisa foi forte!
Circulava pelos corredores com uma incrível
sensação de que o tempo havia passado muito
depressa e também com uma misteriosa
sensação de fazer parte daquilo tudo
de ser meio cúmplice de todos aqueles meninos
e meninas entusiasmados, afinal de contas
estavamos todos juntos no mesmo espaço
tempo. Nossa, passavam muitos insigths pela
minha cabeça, aliás pelo corpo todo, me senti
plugado na tomada em 680W, uma coisa de
louco, me reenergizei!
Minhas células se revigoraram parecia senti-las
dizendo: Eba, comida de novo... te liga meu!!
O mundo tá andando, tá desacreditado é?
Então olha isso, e mais isso e mais aquilo...
Bom, lá pelas tantas eu já estava integrado na
coisa e comecei a anotar essas palavras
diferentes que via nos cartazes dos stands.
E a Inês me perguntou: O que tu tá fazendo??
- Ué, tô me atualizando! Risos gerais...
Não, e a parte de robótica, parecia uma miração
high tec, aqueles robôs andando e fazendo
coisas incríveis, pirei!
Bom, no final me senti grato por ter obedecido
o impulso de ir nessa mostra. Pude reavivar
meus neurônios e minha percepção de que tudo
tem jeito, que a coisa tá pesada e bem difícil mas
que tem mentes muito jovens fazendo coisas
muito reais, possíveis e que possibilitam uma
transformação daquilo que considerávamos
perdido. O mundo tem jeito, simplesmente
porque a realidade que observamos é multifacetada.
Saquei que há um movimento acontecendo em
múltiplas áreas, pesquisas acontecendo do micro
ao macro e numa velocidade incrível. Isso dá uma
abertura, liberta o espírito e faz a gente caminhar
com menos peso e mais conexão!
Besos tech
Du

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Oficina Alegre e Serena

Mais um encontro com o Jogo Astrológico.
Cada vez que ele acontece tenho um impacto
com a precisão das imagens e as indicações
que ele traz.
Não me surprendo mais e fico pensando na
rede sutile curadora que se constela entre os
participantes.Aí entendo
a "bondade fundamental"
que gera tudo,que permeia tudo e que não julga
nada. Ao jogarmos acontece essa partilha de
universos, pessoas quenão se conhecem,
algumas que nunca tiveram contato com
Astrologia se integram numa vivência intensa
que gera abertura e confiança.
Obrigado pela troca e pelo encontro!!
Eduardo

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

EXPERIÊNCIA COM MEDITAÇÃO

"É preciso algum treinamento para considerar o completo
desapego como igual a conforto.Mas, na realidade, "nada a
que se agarrar" é a raiz da felicidade. Há uma sensação de
liberdade quando aceitamos que não temos o controle.
Dirigirmo-nos na direção daquilo que mais gostariamos de
evitar torna vulneráveis nossas barreiras e escudos.
Isso pode levar a um sentimento do tipo não-sei-o-que-fazer,
uma sensação de ter sido surpreendido em uma posição
intermediária. Por um lado, estamos completamente fartos de
procurar conforto naquilo que podemos comer, beber, fumar
ou transar. Também estamos fartos de crenças e idéias e ïsmos"
de toda a espécie.Mas, por outro lado, gostariamos que fosse
verdade que o conforto vindo do exterior pudesse trazer
felicidade duradoura.Esse estado intermediário é onde o guerreiro
passa grande parte do seu tempo em crescimento. Nós dariamos
qualquer coisa para sentirmos o conforto que costumávamos ter
ao comer uma pizza ou assistir um vídeo. No entanto, apesar
dessas coisas serem prazeirosas, já sabemos que comer uma
pizza ou assistir a um vídeo é uma débil compensação pelo
nosso sofrimento.Percebemos isso, principalmente, quando as
coisas estão se desfazendo. Se tivermos acabado de saber
que temos câncer, comer uma pizza não pode fazer muito
para nos alegrar. Se alguém que amamos acaba de morrer,
ou de nos deixar, os lugares a que vamos à procura de conforto
nos parecem insubstanciais e efêmeros."
Pema Chöndron
Voltando de um retiro de 7 dias em silêncio junto
com pessoas diversas conhecidas e desconhecidas
ainda estou em marcha lenta.
Meditar todos os dias, alimentar-se, estar junto sem
nenhuma palavra me deu uma sensação de muita
comunicação, de como não precisamos falar nada
para fazermos um contato absolutamente verdadeiro e
profundo. As palavras do dia a dia nos afastam desse
contato, desse espaço intimo, nos deixam carentes o
tempo todo, evitam, evitam, evitam.
Nunca tinha feito uma incursão dessa envergadura para
dentro da minha própria mente. Percebi a extrema
produção de insanidades,criações sem fim, fantasias,
desesperos, ondas de todo tipo de paranóia.
Tudo isso juntamente com o mais puro refinamento
que seconstruiu no decorrer dos dias, um outro
contato, outras realidades, um espaço aberto.
Percebo agora com mais lucidez e clareza a real
necessidade da educação para o ser, todo um
sistema para ser reinventado, reconstruído.
A coragem consiste em não insistir numa existência
repetitiva em que pesem todos os apelos vindos
de fora.
Simplesmente andar aberto, brando, animado e sem
agir como se soubesse o que está ocorrendo, isso
retoma o acesso a uma força interior.
Sentar em meditação tem me tirado do certo e
do errado.
Um bom abraço
Eduardo

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Planetas trocando de Signo.

Não é sempre que todos os planetas transpessoais estão
mudando de signo juntos. Pois isso acontece no céu nesse
período de 2010/2011 e é significativo porque se trata de
alterações geracionais.
Os 3 planetas externos, Urano/Netuno e Plutão são ditos
trans-saturninos porque estão além da órbita de Saturno
que é o limite físico do alcance do nosso olho s
em auxílio de
intrumentos óticos. São ditos trans pessoais porque estão
além do nosso controle pessoal, além daquilo que é de
domínio pessoal, além da pessoa. É preciso ter uma boa
estrutura psíquica para lidar com esse tipo de energia, com
esses arquétipos, daí a importância de Saturno em nossos
mapas, construir uma estrutura de ego, uma raiz firme e sólida,
mas tomar cuidado para não se aferrar a ela
e tornar mais
dificil a incursão nas dimensões superiores da psique.
O primeiro planeta depois de Saturno é Urano (reg. da nova
era aquariana) portanto de vital importância nestes tempos
vividos intensamente.
Há ainda um planetóide órbita errante que eventualmente
ultrapassa os limites do sistema solar e se aventura nos
meandros da galáxia, seu nome é Kíron - o mestre centauro.
Ele faz uma ponte entre a forma estruturada representada por
Saturno e os primeiros passos para a transpessoalidade e a
soltura liberta representada por Urano. Faz uma ligação entre
a responsabilidade básica de Saturno ligada as questões
físicas e primárias da nossa existência e a hiper
responsabilidade individual e coletiva de Urano vinculada ao

campo das idéias e do viver a partir do não apego.

Urano é o primeiro passo na direção de uma supra consciência
e inicia pelo processo de desapego, daí a necessária
responsabilidade para poder ser livre e assim seguir adiante,
bem adiante. Urano é o princípio do refinamento da mente e
isso implica saber ultrapassar os ditames do nosso Mercúrio
interno, da nossa mente ordinária preocupada com o aprendizado
próximo. Estamos vivendo muito intensamente a energia de
Urano simplesmente porque ele é o regente da Era que inicia,
é óbvio que nem todos poderão compreender bem a sua essência,
e nem é necessário, a unanimidade é mais um daqueles ideais da
Era de Peixes que estão se remodelando. Uma vez que alguns
acessem com Urano de alguma forma todos se conectam.
Já podemos perceber algumas coisas vinculadas a esse planeta
acontecendo na psique coletiva. A velocidade dos pensamentos,
da criatividade, a rapidez das mudanças, tudo passa muito rápido,
há uma nova frequência acontecendo inclusive uma nova noção de
tempo,o Calendário Maia é a própria cara de Urano, além de
mudanças nos conceitos para os fenômenos físicos. Aqulio que
vemos todos os dias nas ruas, escolas, transportes, hospitais,
na política e muitas vezes ficamos perplexos, são os reflexos
dessa agitação mental que inicia uma mudança de forma e agita
os velhos hábitos, as velhas e acomodadas formas de vínculo
com uma realidade absolutamente em transformação. Às vezes

chega a dar um desânimo, uma depressão, uma sensação de que
tudo está se perdendo, ou que não vamos mais reverter o quadro
de desgraças que estamos assistindo. Tudo isso ainda é o velho
olhar sobre a velha realidade, ou o julgamento a partir de um
grande apego. Sob este olhar tudo parece estar se destruindo
seja por queimadas, seja por aguás poluídas, seja por lixo
acumulado, seja por violência sem fim ou por política sem moral.
Porém existe outro olhar além dessa forma tão intensamente
assolada, esse olhar conecta-se além da obviedade das formas e
do pensamento ordinário. É um olhar que penetra a primeira
dimensão do trans, um olhar que sabe da continuidade de tudo

além da forma curta e da preocupação com o eu e o meu/minha,
um olhar que resgata o humano e a partiri daí o sagrado.
Esse olhar vem a partir de um comprometimento individual que
se dá, muitas vezes, em função de um esgotamento, de uma perda
de sentido ou de uma doença.
A porta de Urano precisa ser aberta e ao abrir essa porta
percebe-se que se entra num estado diferenciado, como que um
refinamento do sentir e assim do pensar. É um estado de poder
circular pelo mundo sem o excesso, sem a sensação de perda e
com uma abertura para o instante presente, uma relação direta com
o momento em que se vive e aquilo que se faz efetivamente - aí
reside a ultra responsabilidade e o cuidar de si mesmo, a não
dependência.
Pois Urano está também trocando de signo, ele fica 7 anos em
cada signo e passou os últimos 7 anos em Peixes o signo da

compaixão e da entrega, o signo da não forma e da aceitação de

tudo e de todos. Assim Urano pode aprender um pouco de
acolhimento emocional e convivência com as imperfeições da vida.

Pode-se dizer que Urano ajudou peixes a abrir suas portas e a
manifestar todas as formas possíveis. Urano trouxe a possibilidade
de libertação ao passivo e escravizado signo de peixes e assim se
percebe que muitas pessoas libertaram-se dos seus grilhões, das
suas amarras, tudo ficou mais claro. Essa liberação geral tem o

propósito de criar uma nova identidade e isso já tem a ver com o
ingresso de Urano em Áries, o signo dos novos começos.
Estamos
num processo coletivo de criar uma nova pessoa, um
novo homem,
uma nova mulher, um novo "ser". Isso pressupõe
essa imensa
responsabilidade com as nossas escolhas, com
nossos relacionamentos,
com nossa família, ou seja estamos em
meio a umnascimento e como
todo nascimento vivemos as dores
do parto, os 2 primeiros anos de
Urano em Áries serão drásticos
como o próprio parto, o nascimento
está em curso!!

....continua...com Netuno.... abraços Du

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

De tempos em tempos vem uma fase assim em que se fica
revendo coisas.
Uma espécie de vácuo atuacional um momento
de olhar
para a realidade em que se vive e pensar um pouco
sobre ela, um
olhar o caminhar diário.Assim pode-se perceber
melhor o tempo passando, as pessoas passando, o trabalho
acontecendo, o movimento de tudo que nos rodeia. É uma parada
estratégica para observar tudo que acontece, tudo que se mexe.
Não raramente se percebe que muita coisa foi sendo vivida, muita
gente contatada, muito trabalho feito, muita experiência
acumulada e muita carga
psicológica experimentada.
Tudo isso nos passa despercebido se, em algum momento, não
paramos e olhamos, sentimos. E quando sentimos, a
alma cresce!
Muitas vezes parece que se chega mais perto, que se pode pegar
esse momento
de percepção maior de tudo. Quase que se fala com
o ponto invisível, com
aquilo que está ali e não se faz presente.
É aí que entramos no espaço do não tempo, o lugar do insondável
e então parece que tudo faz sentido, que
tudo se toca e é tocado,
uma música se ouve e a resistência se torna existência.
Ao relaxar o símbolo aparece e com ele a dimensão da Vida se
amplia e podemos
ver o esboço daquilo que estamos fazendo.
Aparece uma dor estranha que não tem causa, que não tem
explicação, que não é
palpável. É uma dor sem começo nem fim,
é uma dor que avalisa a capacidade de respiração-a existência.
Se tem uma certeza com ela, uma certeza inexplicável que dá
continuidade a tudo
e que cria proximidade com o sagrado.
O sagrado nunca esteve distante, mas sem o contato com essa
dor a sacralidade assume uma forma curta e estanque, a forma

de uma necessidade.
Estes tempos são tempos de retorno ao nosso corpo que
sente, s
agrado é tudo que toca!

duastro@terra.com.br

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Mais reflexões sobre a conjuntura astrológica atual: o desafio de Ser e se relacionar





2012? Forças inconscientes atuantes? Pressões socioculturais, sensacionalismo? A constatação mais do que concreta de modificações ambientais e climáticas? Esgotamento de instituições sociais que serviram de base para as relações tais como as concebemos até então? Cada um de nós está mais ou menos sensível a uma ou outra dessas facetas do momento. Mas, seja como for, estamos todos testemunhando intensas movimentações em nosso planetinha azul.


Mais do que tentar prever acontecimentos ou esperar para ver o que irá acontecer, as conjunções astrológicas do momento indicam que a hora é de agir. Esse é o significado profundo de áries e seu regente Marte. Agir no sentido de exercer o Eu ou, simplesmente, Ser.


Então, a entrada de Urano (planeta regente de aquário e porta voz da “nova era”) nesse signo, indica que o tempo do novo é agora. O futuro já chegou. Isso nos traz a questão de nos colocarmos no mundo com os recursos de que dispomos no momento, pois não há mais tempo, nem sentido, para preparação. O caminho se faz caminhando.




Essa percepção aguda do aqui e agora pode nos causar alguma insegurança, pois nos remete ao nosso despreparo, nossas carências, medos, nossa inabilidade para tantas coisas que imaginamos poderiam ou deveriam ser melhores do que são...


Por outro lado, pode nos tornar mais receptivos e amorosos com a nossa REAL condição e conseqüentemente com a real limitação e falta de preparo das outras pessoas também. Afinal, estamos todos no mesmo barco azul.


Com a entrada de Urano e Júpiter em áries, podemos agora nos dar conta de que é mais corajoso quem faz do que quem fica eternamente se preparando para fazer.... Então, apoiemos os corajosos, começando pelo herói que nos habita. E viva os corajosos, aqueles movidos pelo coração, que tem a ousadia necessária para tentar Ser o que são e, ao mesmo tempo, humildade suficiente para ir se aprimorando com a experiência.


Experiência é importante para Júpiter, outro planeta que entra em áries, nos lançando para fora a partir do centro, adquirindo experiência e aprendendo com ela. Formando assim novos sistemas de valores, baseados nesse Conhecimento que é bem mais do que uma mera teorização da vida, já que passa necessariamente pelas vísceras em direção ao divino em nós mesmos.




Coragem, nascimento, assertividade, ação, direção, ímpeto, força de dentro para fora. Isso é áries.


Lá do outro lado dessa conjunção astral, encontramos libra e a capacidade para ouvir, ponderar, equilibrar, ser justo, ceder, colaborar, surgindo como um antídoto para possíveis exageros nesse ímpeto egocentrado da energia de áries. Em libra encontramos o Outro, o sócio, o parceiro, o companheiro... Saturno, então em libra, nos mostra muito concretamente que nada podemos sozinho, e mais, que nossos padrões de relação estão necessitando renovação, responsabilização, trabalho e

comprometimento.


Então, podemos entrar em conflito ou trabalhar junto. Façam sua escolha.






É importante reconhecer que na verdade nunca estaremos realmente prontos, acabados, e que viver é esse eterno rabiscar um esboço sem quadro, como sugere Milan Kundera. Ao invés de nos desanimar, isso deveria mesmo era nos inspirar, tal qual um artista perante uma tela em branco. Aceitar o esboço que somos traz uma liberdade incrível! Mas...deixa lá sua ferida em nosso narcisismo...


Bem, minha proposta é que saibamos enxergar e aceitar amorosamente nossas limitações e carências, ao mesmo tempo em que nos apropriamos daquilo que sim, já avançamos. Pois estamos sempre avançando e podemos compartilhar, somar, trazer essas conquistas para o coletivo.


Afirmação de si e coragem para iniciar coisas que estamos programando há muito ou mesmo há pouquíssimo tempo, por um lado, e a necessidade de negociar esse ímpeto para, então, Ser com os outros, ouvir e trabalhar em parceria é um dos principais significados dessa oposição que está no céu do momento. Urano e Júpiter em áries trazem o impulso e a possibilidade de sermos nós mesmos de uma forma muito original; Saturno em libra nos puxa para a responsabilidade com o Outro, com as relações e as parcerias firmadas. É nesse (des)equilíbrio, nesse vai e vem, que a gente se dá bem e, também, que a gente se atrapalha...


grande abraço,

Carolina


* As imagens são do sensível trabalho do escultor, fotógrafo e ambientalista britânico Andy Goldsworthy.

segunda-feira, 19 de julho de 2010

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Sobre previsões e futuros


Entre os dias 6 e 7 de agosto deste ano, conforme muitos de nós já temos tomado contato, seja através de emails, leituras ou conversas por aí, haverá uma confluência de posicionamentos planetários bastante forte no céu. A oposição de Urano e Júpiter em Áries com Saturno em Libra é uma delas, e que na verdade já está acontecendo.

Nesses dias em especial, a Lua, que possui movimento mais rápido do que os outros planetas, estará em câncer, fazendo oposição a Plutão em capricórnio e quadratura com tudo aquilo ali em cima. Isso significa que nossa sensibilidade lunar estará frente a frente com a sombra de um processo de desenvolvimento socioeconômico em queda e tencionando nossa relação com os outros e com agente mesmo. Estaremos então sensivelmente conectados com a fragilidade das instituições, das autoridades vazias, da falta de limites claros e coerentes; assim como sensibilizados com nossa inaptidão para nos relacionarmos dentro de um mundo que pede novas fronteiras identitárias.

Com a Lua em Câncer é momento de arrumar a casa. Mas que casa é essa?

No caso especificamente da oposição Lua-Câncer Plutão-Capricórnio, passado e futuro (no sentido daquilo que já está em andamento), subjetividade e objetividade, vida íntima e vida pública colocam-se em posições opostas e necessitam entrar em acordo.

A visita de Plutão ao signo de Capricórnio traz à tona as falhas do sistema social e econômico vigente, suas incoerências, seus excessos, suas feridas, escancarando para nós que a tal sociedade nada mais é do que uma versão em macro das nossas próprias incoerências e limitações humanas.

Uma parte de nós exaure-se, chega ao limite, está estéril. A sua reprodução pura e simples leva à morte e aniquilação. A criatividade saiu de moda.

A criatividade saiu de moda?!

Netuno em conjunção com Kíron no finalzinho de Aquário fará um aspecto favorável com essa oposição, trazendo com isso uma pista sobre nosso futuro antes de se lançar de vez ao mar: processos de sofrimento e cura da nossa fé em um futuro novo e original, cri-a-tivo. Você está contra ou a favor dos novos ventos?

Logo em seguida, em Peixes, Netuno e Kíron testarão nossa confiança no fluxo incessante da vida. Seremos capazes de confiar no fluxo dos acontecimentos? E não me refiro a uma aceitação seletiva da vida: isto eu aceito, isto não. Falo de aceitá-la na sua totalidade, na saúde e na doença, na riqueza e na pobreza. Um casamento com a vida à moda antiga...

Uma confiança plena no aqui e agora. Ou será que você prefere apostar que existe uma forma mais apropriada para as coisas acontecerem, suspendendo assim a vida até que esta lhe caiba melhor?

Pura perda de tempo.

Urano e Júpiter em Áries indicam que o novo já começou, está começando e que o momento é de coragem e abertura. Mas, importante, começa aí, aqui, dentro de cada um.

Muitas pessoas me perguntam sobre esse momento cósmico astrológico. Afinal o que vai acontecer? O céu cairá sobre nossas cabeças? Sinceramente não me interesso por previsões em grande escala, para mim, elas são antiprodutivas. Penso que enquanto procuramos fora os acontecimentos, estamos alienados de nós mesmos e dos movimentos sutis e grandiosos que já estão acontecendo. Dentro de cada um.

Então, o telefone tocou? Um trabalho foi cancelado? Uma emoção surgiu? Estou em crise, com medo, com sede, sozinho? Conecte-se e envolva-se com o que está acontecendo agora. Com você e sua comunidade, seus amigos e familiares. Nada é mais importante. Nada.

Entre na onda e faça moda

Os fatos são palpáveis, o fluxo não. Somos partícula e onda, figura e fundo, início e fim, a parte e o todo.

Sim, é importante olharmos para os fatos, as partículas, os conceitos, os objetos, a tal “realidade”. Fato virginiano.

Mas ao mesmo tempo, a física atual e o budismo milenar nos ensinam que a porção onda só surge quando deixo de tentar apreender o objeto... E então, entramos no reino de Netuno, nossa parcela onda, fluxo, fato pisciano, onde tudo o mais comunga em liberdade, movimento e possibilidade. E quem é do mar está mais que habituado a saber que quando a maré não tá para peixe é melhor deixar assim mesmo.

E então, Netuno, nossa inteligência onda, estará nos dias 6 e 7, formando um trígono com a Lua trazendo um reforço mais que necessário para esse grande útero criador que precisará gestar um novo futuro.

Minhas previsões?

“Eu vejo um novo começo de era, de gente fina elegante e sincera. Com habilidade pra dizer mais sim do que não...

Hoje o tempo voa amor, e escorre pelas mãos, mesmo sem se sentir. E não há tempo que volte amor, vamos viver tudo que há pra viver, vamos nos permitir.”


Abraços,

Carolina

terça-feira, 29 de junho de 2010

Libra, Áries, Libra, Áries....Capricórnio.

Estava estudando sobre o aspecto de oposição que acontece
no céu entre Júpiter e Urano em áries e Saturno em libra.
Quando temos tempo para nos dedicarmos ao estudo,
os insigths aparecem, por isso diz-se que a astrologia é
muito trabalhosa, é preciso estudar mesmo, assim vamos
abrindo caminho através das idéias que surgem.
Aprende-se que a partir de libra, as questões vão ficando
mais complexas, pode-se dizer que a partir de virgem
isso já acontece, mas é em libra que o "outro" aparece,
é o momento em que se precisa ir adiante nas relações
individuais e interpessoais. O aspecto psicológico fica
bem mais complexo a partir disso.
Para entender uma situação interpessoal claramente,
é preciso entender a si mesmo, o estilo e funcionamento
da própria mente e daí partir para a compreensão de
como funciona esse jeito de ser nas relações com
os outros. Havendo essa base (áries à virgem) nos
relacionamentos interpessoais pode-se perceber como
essas duas mentes-jeitos de ser interagem.
Assim começamos a perceber que não existe uma
mente dentro e outra fora, são duas mentes que se
encontram isso pode significar uma mente apenas.
Então quanto mais se aprende sobre nós mesmos,
mais se aprende sobre os outros.
Agora com a presença de Júpiter/Urano em Áries
vamos ter a possibilidade de grande abertura, muitas
idéias, insigths sobre si mesmo, é realmente um
momento promissor em termos de idéias. Como se
tivéssemos ao nosso dispor uma fábrica de novos
conceitos e abertura para novas experiências
individuais porque Júpiter traz a amplitude,
a expansão a ética e Urano a novidade, a abertura
para viver as coisas que se apresentam e além
disso impulsiona o crescimento humano coletivo,
fomenta novos grupos e tem muita preocupação
com o respeito aos direitos de todos. Essas
experimentações nos individuos
vão aparecer em relações interpessoais, aquela
coisa de que os indivíduos que experimentam
novas atitudes consigo mesmo vão necessariamente
relacionar-se e trocar esse aprendizado, aí está o
desenvolvimento do coletivo, o desenvolvimento
da cosciência, a mente se abrindo muito mais.
E isso acontecendo nas relações (áries-libra)
respinga em capricórnio, onde se encontra Plutão
naquele trabalho longo e profundo de modificações
estruturais, o sistema estruturado na consciência
(capricórnio) recebe as experiências dos indivíduos
e consequentemente estabelece novas formas, novos
"jeitos de ser", uma outra consciência vai se
solidificando a partir dessas novas interações.
Saturno como regente de capricórnio e dispositor
desse Plutão, enquanto esse transita nesse signo,
terá uma importância ainda maior. O senhor do
tempo vai solidificando gradualmente essa nova era
de retorno ao humano e a partir do humano
ir conquistando uma maior consciência
de vida e morte.

Eduardo

quinta-feira, 24 de junho de 2010

ASTROVIVO NO CARPEDIEM


MAIS FOTOS LÁ EMBAIXO.........
ABRAÇO EDUARDO

sexta-feira, 4 de junho de 2010

KIRON SE MOSTRA EM PEIXES

De repente aquilo que estava bem, ou melhor dizendo,
aquilo que estava no limbo simplesmente cai. Uma das
manias mais comuns é tentar deixar as coisas tranquilas,
deixar quieto pra ver como vai ficar, ou amenizar os

impactos ruins. Com esse aspecto saturno/plutão, não é
bem esse o caminho e com kíron ingressando em Peixes,
menos ainda. Nossa consciência está precisando, e vai
levar, uma sacudida forte, bem forte!
Dentro da nossa pequenina dimensão de realidade,

pretendemos conhecer e ver a melhor forma possível de
se ajeitar uma situação, normalmente para que se encaixe
naquela confortável zona de tranquilidade e "normalidade",
santa ilusão! Queremos adequar a realidade de acordo
com o grau de medo que sentimos ou que escondemos nas
sombras e nos defendemos o tempo todo, egoístamente!
Não adianta muito esse esforço, a coisa vem! E vem

porque precisa vir, o desenvolvimento da consciência é
inevitável e fazemos parte desse processo.
É muito
importante nesse momento ficar atento ao
mecanismo de
projeção que constantemente está presente
em todas as
situações que nos envolvemos, principalmente
em nossas
relações com as pessoas. Isso significa que o
que julgamos
estar ocorrendo não está ocorrendo somente
externamente, por ex: ficamos irritados porque parece que
alguém
tenta nos controlar, ou cria situações que retiram a
nossa
liberdade, ou manipula e se esconde. Talvez fosse o
caso
de se perguntar como tentamos controlar os outros,
ou
como não nos permitimos ter algum poder, ou como
nos isentamos.
Esse mecanismo das projeções pode criar um contexto em
que podemos alcançar muita consciência tanto do outro
quanto de nós mesmos, pelas experiências intensas
emocionais que acarretam. Ao vivenciá-las, se estivermos
abertos , sentimos e introjetamos o seu potencial e a sua
força, assim criamos uma solidez maior para irmos adiante.
Claro que a dor está presente, mas podemos nos

surpreender com a capacidade de integrá-la melhor dentro
desse processo todo, ou seja, ela não vai nos destruir como
antes, ela não vai nos deixar acabados ou com uma
sensação de fraqueza e impotência, ou rancorosos e cheios
de mágoas como antes acontecia. Aí está a própria noção
de compaixão e entrega, ou também do amor incondicional
de Peixes.
Estamos iniciando um grande período de experiências com

esse amor incondicional que vivemos discursando que
temos, e realmente temos, experiênciaspara perceber o
quanto somos capazes de reter mesquinhamente, como o
nosso discurso é reduzido,o quanto nos achamos especiais
e tudo o mais. Estamos a nos aproximar desse amor
incondicional para perceber a sua real amplitude. Talvez
nos surprendamos com o que podemos alcançar e perceber
melhor a nossa própria importância. Aquilo que rejeitamos
por muito tempo vai aparecer para nos curar definitivamente!
Isso significa que há uma espécie de renascimento em curso,
uma faceta que se reintegra na nossa psique, algo que
amplia nossa visão e dá uma nova forma na nossa
caminhada. Mas, note, isso tudo já estava aí só faltava um
empurrãozinho para que assumisse-mos uma força e uma
maturidade para lidar com a atual realidade. Dói? Sim, mas
a dor está diretamente relacionada com o desenvolvimento
da consciência, é uma dor altamente curativa se a qual nada
aconteceria, tudo ficaria no limbo eterno da ilusão ou do ideal.
Abraços reconfortantes reais!
Du

segunda-feira, 17 de maio de 2010

JOGO EM JUNHO!!

Olá pessoal.
Aproveitando a temática do dia dos namorados faremos
um Jogo com ênfase nos relacionamentos.
Será aberto tanto para casais como para pessoas sem
parceria no momento.
Utilizando os símbolos astrológicos podemos compreender
mais amplamente nossas relações amorosas e assim ir mais
adiante em nossa caminhada pessoal.
Que possamos criar um grupo com abertura e profundidade
e, assim, estabelecer um ambiente afetivo e curativo.
Um abraço
Eduardo Krug



segunda-feira, 10 de maio de 2010

CANCERIANISMO....

Definitivamente a liberdade de sentir é tudo de
bom, é tudo de melhor, é tudo de tudo!
Se você não pode sentir as coisas é como se você
não existisse, é como viver fora do corpo, fora da terra,
fora do ar. Sentir aquilo que se manifesta dentro de você
seja lá o que for.
Sem esse contato tudo o mais é sem recheio, é teoria, por
isso Câncer vem depois de Gêmeos, não basta entender, é
preciso sentir a Vida acontecendo. Respirar o que está ali
pulsando e pedindo passagem, estar no tempo do acontecido.
O processo terapêutico precisa iniciar no sentir, câncer é um
signo de água que conecta a alma aos fatos. Se você não
sente a música não acontece, não toca.
É praticamente impossível transmitir em palavras o que
aconteceentro, nas entranhas da alma por isso os signos da
água parecem tão fechados, tão pra dentro. Eles estão em
diálogocom tudo aquilo que não aparece, para eles
nada é evidente.

A Lua é o regente de Câncer, anda rápida pelo céu, faz um
giro em 28 dias e meio. Precisamos ir sentindo tudo,
acordando aquilo quecada signo traz consigo na sua alma.
A Lua sensibiliza tudo o que toca, tipo uma mãe que
incomoda o filho perguntando se ele está cuidando de fazer
tudo direitinho, dizendo para ele não incomodar os outros
(êta projeção de mãe), pra ele não esquecer disso, e daquilo...
A cada mes a mãe passa novamente no quarto de cada filho
e trata de nutri-los com seus cuidados.

Ãs vezes para evidenciar algo é preciso provocá-lo até que
apareça. Plutão, regente de outro signo da água, trata desse
trabalho de transmutação, entenda-se mudança de um
padrão emocional ultrapassado. Colocar para fora, largar o
controleque sufoca, fazer o vulcão eclodir.
E a "controlação" é ardilosa, nem vemos o quê ou como
controlamos, simplesmente achamos que estamos seguindo
o curso e nos perdemos netunianamente......hã...onde.....
como, por que estou aqui??
Queremos controlar tanto as coisas que nos esquecemos
que a Vida está acontecendo sem nenhuma necessidade
de controle,sem nenhuma exigência, sem nenhum horário
pré estabelecido.

Então que Saturno quadrado Plutão concretize essa atitude
plutoniana e que as experiências vividas agora com coragem
e abertura, nos tragam de volta ao humano!
Namastê
Du

quinta-feira, 29 de abril de 2010

SATURNO QUADRATURA PLUTÃO

Não dá para dizer que é um aspectinho””, mas ETA

aspectinho danado!!Quem não está passando por
alguma situação daquelas de arrepiar os pelinhos da
coluna? Se não está passando, acabou de passar ou vai
ser apresentado a ela. Quem não está vendo em si
mesmo, por dentro, está vendo fora nas catástrofes
já cotidianas estampadas em qualquer meio de
comunicação. A coisa ta pegando!!
Para quem busca uma maior clareza e um maior

desenvolvimento de si mesmo, não podemos falar
mais em previsões negativas ou positivas, trata-se
de outra abordagem, um tanto quanto mais profunda.
Plutão sempre lidou com os acontecimentos drásticos,

emocionalmente difíceis e com desdobramentos
inexoráveis. Mas ele não está ali para tirar algo apenas
para nos provocar sentimentos que não queríamos sentir,
ou para perturbar o bom andamento do nosso chi interior.
Plutão retira o que precisa ser retirado e não nos damos
conta, cria o processo para a eliminação, purga tudo que
não consegue sair por si só. Sabe aquela pedra imensa
que obstaculiza toda nossa vida, que já decretamos
que é perene e que jamais sairá da nossa frente, com a
qual vivemos como se fosse uma verdade absoluta e
inquestionável...pois é...plutão retira ela! Como?
Criando uma situação que nos coloca em frente ao
nosso engano, à nossa arrogância, à nossa desvalorização,
às ameaças das quais vivemos fugindo cheios de
medo e covardia. Plutão resgata o nosso senso de
poder que tem a ver com uma honestidade emocional
visceral e um se colocar na vida de forma sensível
e com envolvimento corajoso.
Então que esse aspecto com Saturno traz a tona

todos os medos e toda a covardia que escondemos
durante muito tempo e que agora precisa sair, purgar,
em alguns casos explodir. Sim porque uma das facetas
negativas de Saturno são os medos e os interesses e uma
vida apenas de imagem. Isso tudo muitas vezes pode ser
confundido com uma compaixão, porque muitas vezes,
nem sabemos, mas ajudamos e nos envolvemos com
medo de perder algo, com medo de ser castigado,
com medo de sentir culpa. Sabe aquela reação automática
de que “devo fazer isso” então faço porque é correto ser
assim, aprendi que é assim que se deve crescer, etc.
Tudo isso encobre uma profunda desconfiança que mina
a nossa energia amorosa, que encobre nossa vontade
genuína, é como se já tivéssemos os conceitos prontos
de trabalho, de como viver em família, de como se
relacionar com as pessoas e tudo isso. Um conceito de
sanidade e tantas questões morais inquestionáveis.
Essa quadratura vai nos colocar em cheque com esses

conceitos e formas cristalizadas de viver. No fundo pode
dar aquela sensação bem ruim de que não tenho mais o
que fazer, pronto agora sou impotente mesmo,
simplesmente não consigo atuar mais da mesma forma
como sempre fiz e não tem jeito! Tudo isso vem à tona
agora e vai estar presente por todo o ano de 2010 até
se desfazer a quadratura.
Assim, aos poucos vai surgindo um espaço interno e um

silêncio que permite a manifestação de um sentimento
de compaixão, uma aceitação que teve que passar por
todo esse processo de dor , uma espécie de morte bem
morrida porque jamais volta a ser igual. Há um novo
sentimento depois de tudo isso, uma nova postura,
renovada e limpa, com uma nova compreensão mais
abarcante da própria realidade.
Assim, individualmente todos precisamos passar por esse

ciclo para que o coletivo torne-se o fruto de nossos sonhos
e esforços diários.
Namastê
Eduardo

sexta-feira, 5 de março de 2010

Então estamos no final de ano astrológico.
Um período de provações reais muitas e muitas vezes

mais intensa e simbólica do que o ano novo burocrático
imposto por decreto,muito conveniente ao mercado.
Então que as coisas acontecem como precisam acontecer
e o signo de Peixes permite que tudo venha à tona,
sensibilizando a todos os seres aqui visíveis ou ali invisíveis.
Assim as emoções ficam a flor da pele, os "ataques"
acontecem, é preciso derr-amar tudo e não excluir nada,
se não conseguimos transcender os julgamentos agora é o
momento para isso, exercício de paciência,
de total imersão.
Sensação de impotência, de espera, às vezes um desânimo
.....mas por quê tem que ser assim....isso não tem jeito mesmo!!
É os julgamentos estão sempre presentes, é o nosso Saturno
interno projetando-se como senhor da realidade.....
mas que realidade?
A questão é a realidade é muuuuito maior, muito mais
ampla do que nosso 2 olhos enxergam.
A compaixão é exercitada intensamente nesse período,
ou talvez percebida pela primeira vez em outra magnitude.
Com tudo isso pode vir uma sensação de pertencimento,
de nunca ter estado separado, independente do "problema"
que temos ou estejamos enfrentando....estamos no mesmo
planeta, na mesma galáxia..... E é em Peixes que temos
o privilégio de poder agradecer a oportunidade de poder
ver o barco, o planeta, poder sentir essa sensação
de confiança plena. Essa é a entrega! Com dor ou sem dor,
sofrendo ou não sofrendo conscientemente,
perceber a ternura do momento, estar presente no tempo,
poder exercer o desprendimento, a ajuda!
Sim a ajuda...ajuda...
Nào é uma questão de dúvida, de poder ou não poder,
de vida ou morte. É uma questão de estar aí e aberto
a tudo o que acontece. O tempo vai ajudando......
O último mes do ciclo astrológico traz muitas e muitas
sutilezas e também concretudes "tsunâmicas" que são
tão duras e sofridas, que nos fazem questionar tudo...
mas....quem disse que as coisas precisam ser cada vez
mais leves, mais certinhas, mais organizadas? Tudo está
aí ao mesmo tempo e sempre esteve! Compreender e
expandir os horizontes da individualidade e,
por consequência, da coletividade causando uma nova
individualidade....und so weiter!
Comprar um carro, montar um novo projeto de trabalho,
passar noites no hospital acompahando algum amigo,
fazer uma obra, preparar novas aulas, celebrar um
nascimento, perder um ente querido....ficar preso no
trânsito caótico....
O que não pode acontecer? O quê está errado?
Perceber a Vida .....
o que mais queriamos mesmo??
Beijos
duastro@terra.com.br